BOLICHE É DESTAQUE NO JORNAL DA TARDE (SP)

Os centros de boliche Dragon Bowling e Villa Bowling foram destaques em reportagem especial do jornal paulista JT.

Matéria original por TATIANA PIVA, tatiana.piva@grupoestado.com.br

Nos últimos dez anos, a quantidade de casas de boliche em SP quase triplicou. E há opções para todos os gostos e estilos

Em busca do strike perfeito

Há dez anos, havia seis casas de boliche em funcionamento na cidade. Hoje, são 15 – quase o triplo -, espalhadas por São Paulo. Não há nada que explique, de forma lógica, esse crescimento. O que se sabe é que a onda dos boliches está de volta.

Nos últimos 30 anos, nunca houve tantas casas voltadas a esse tipo de diversão na cidade. Em época de balada, os boliches se modernizaram e também se tornaram lugares para paquerar, dançar, conversar, comer e até mesmo arriscar uns strikes, arremesso em que o jogador derruba todos os pinos de uma só vez.

Para esta reportagem, o JT visitou dois boliches bastante representativos de São Paulo: o Villa Bowling, o mais novo da capital, no Shopping Vila Olímpia; e o Dragon Bowling, do Shopping Center Norte, um dos mais antigos em funcionamento, inaugurado em 1993. O Villa e o Dragon são exemplos perfeitos da diversidade de público apreciador do jogo.

O primeiro tem equipamentos modernos, 12 pistas, decoração em cores vibrantes e iluminação discreta. No final das pistas, logo acima dos pinos, há telões passando clipes musicais e shows. A lanchonete tem poltronas confortáveis e o cardápio vai do trivial hambúrguer e refrigerante até uma refeição completa (como o penne com tomate fresco e rúcula, a R$ 26, para uma pessoa) e – acredite – champanhe Chandon (R$ 59, a garrafa). É o boliche com classe.

No Dragon Bowling, o estilo é outro. O piso é de madeira, a iluminação é comum (bem mais clara do que no Villa) e na decoração predomina a cor laranja. Com 24 pistas, o lugar tem lanchonete servindo sanduíches, refrigerante, cerveja e a pedida mais famosa da casa: a pizza de mussarela (R$ 12).

Os estilos das casas são bem diferentes. E isso, obviamente, reflete no público de cada lugar. Mas o fato é que os boliches têm atraído os mais diversos tipos de pessoas. “O boliche é um lazer para todas as idades. Frequentam os filhos, os pais e os avós”, diz Caco Cruz, um dos sócios do Villa Bowling e que também é pentacampeão sul-americano da modalidade.

Desde que foi inaugurado, há cerca de um ano, o Villa tem recebido mais de 800 clientes por dia. Um deles é o publicitário José Silva, 44 anos. Ele trabalha na região e conheceu o local durante a semana, com um grupo de amigos. “Moro na Granja Viana e resolvi trazer minha família toda. É um ambiente agradável e divertido. Além disso, posso vir tanto com os amigos quanto com a minha mulher e meu filho”, diz.

Do outro lado da cidade está o Dragon Bowling, no Shopping Center Norte. Ali, a estrutura e os equipamentos são mais antigos, mas isso não atrapalhou em nada a diversão das cerca de 300 pessoas que estavam no local durante esta reportagem. A maior parte do público que frequenta a casa é de adolescentes. Mas sempre há pessoas com mais idade, como a aposentada Lilian Rossi, 58 anos, que liderava um grupo de 12 amigos. “Eu estava com uma turma do interior em casa e trouxe todo mundo. Aqui, tem desde criança de 10 anos até meu marido de 78”, diz ela. “E todo mundo se diverte”.

Essa, aliás, é uma das grandes vantagens do boliche. “É um tipo de diversão totalmente democrática”, diz Geraldo Couto, presidente da Confederação Brasileira de Boliche.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s