QUAL A FÓRMULA CORRETA DO RANKING?

Acabei de divulgar (graças às colaborações do Paulo Feijó e do Ricardo Filgueiras) os rankings Brasileiro e Paulista. Apesar de utilizarem fórmulas diferentes, ambos usam o mesmo método de classificação: PONTOS ao invés da MÉDIA.

Até hoje não me convenci da validade dessas engenhocas do Excel que são utilizadas para classificar o desempenho dos atletas do boliche.

Penso que ao se montar um ranking alguns preceitos devem ser levados em conta:

1. SELECIONAR os melhores jogadores de boliche para a formação das equipes e convocações;

2. FAZER AS DIVISÕES dos participantes nos campeonatos;

3. ORIENTAR todos os federados na avaliação dos próprios desempenhos;

Entendo que os atuais ranqueamentos não satisfazem adequadamente esses três princípios. Os melhores classificados não estão necessariamente na ordem de qualidade técnica e desempenho individual, requisitos básicos para a montagem de um seleção competitiva. Basta conferir as atuais classificações, brasileira e paulista, por exemplo.

Na montagem dos campeonatos tem ocorrido distorções nas divisões formadas por pontos, ao invés das médias.

Importante observar que o que determina o título e a distribuição das medalhas e troféus nos campeonatos individuais, de duplas ou de tercetos são as MÉDIAS, mesmo que acrescidas dos bônus, e não os PONTOS.

A grande maioria dos atletas não consegue avaliar a evolução (ou não) do próprio desempenho ao comparar a classificação ao longo do tempo.

Sei que essas fórmulas, aplicadas há dezenas de anos, objetivam impedir a manipulação do ranking e igualar condições de pistas diferentes mas, pergunto: isso tem ocorrido?

Clique aqui e conheça as regras do Ranking Brasileiro

Clique aqui e conheça as regras do Ranking Paulista

PS: O porquê da imagem? É que, tal qual o condicionamento das pistas, considero o debate sobre o ranking parecido com um telhado de uma casa sem colunas e paredes.

Anúncios

6 Respostas para “QUAL A FÓRMULA CORRETA DO RANKING?

  1. Bira,
    Concordo com vc.. Pessoalmente, ao longo destes três anos com o atual ranking, sempre me questiono sobre vários aspectos, mas não vejo muito o que se possa fazer. Contudo, o maior problema que qualquer ranking pode ter é sua base de dados, ou seja, enquanto não tivermos critérios técnicos definidos para os patterns, e respeito a estes critérios, nenhum ranking funcionará, porque a base estará viciada.
    Posso usar como exemplo o ranking da FBRJ, com algumas alterações – usamos critérios técnicos na definição dos pontos-base dos eventos (ex.: dois patterns vale mais, oléo tipo liga vale menos, etc.) – é calculado como o CBBol, e desde que implementamos aqui nunca mais tivemos problemas de questionamento quanto a convocações. Funciona muito bem, e não temos qualquer questionamento sobre o resultado do ranking, que tem, ao longo do tempo, espelhado bem a situação técnica dos atletas do Rio.
    Reitero, contudo, que temos cuidado com a base técnica. Por exemplo, agora, acabamos de sair de um torneio com óleo de Liga. O ponto-base fui eu, com 218,6 de média. Agora estamos jogando o individual com dois patterns, curto (Beijing) e médio (Seoul), até para reproduzir o Pan e depois ainda vamos ter um torneio antes da convocação com óleo longo, ou seja, tem que haver preocupação com a base, ou seja, com as condições técnicas do evento.
    Acho que nosso ranking poderia ser aperfeiçoado neste ponto, de variação da pontuação dos eventos em razão das condições técnicas da disputa – para tanto devem ser tomados os padrões adotados internacionalmente – mas isso depende de uma questão política.
    De qualquer forma, é perfeita sua ilustração, não adianta ter um belo telhado sem a fundação e as paredes. E ainda acrescento, esse telhado é, como na foto, carregado por poucos porque alguns acho que preferiam que não houvesse qualquer critério ou controle.
    Abs.
    Paulo Feijó
    ps.1: hj. estive pensando, e devo lhe parabenizar pelo site, que é fundamental para nosso boliche.
    ps2.: tinha recebido esta foto, mas num e-mail que dizia que era o início da construção do estádio do Flamengo…

    • Paulo
      A minha intenção é abrir o debate sobre critérios de avaliação (ranking). Torço pela luz no fim do túnel.
      aBIRAços
      PS: Essa foto recebi pelo Facebook do Mario Canelas, dizendo que a cobertura do Itaquerão já estava pronta… rs

  2. À FPBOL

    Não entendi o motivo do ponto base para o evento brasileiro individual ser 3750.

    5.2.2) Nos eventos, para os atletas masculinos, à pontuação básica serão somado 100 pontos por atleta participante do evento e colocado até a 24.a posição no ranking anterior e 50 pontos por atleta colocado entre 25.a a 48.ª posição. A pontuação máxima do ponto base fica sendo de 5.000 pontos
    Seguindo a regra do ranking paulista fiz a conta de quanto seria o ponto base:

    – Pelo ranking paulista geral 2011 anterior ao brasileiro individual
    William Hideki 18625 100
    Renan Zoghaib 17846 100
    Felipe Rezende 17515,16667 0
    Igor Pizzoli 17290 100
    Celso Azevedo 17244,83333 0
    Franz Monteiro 16984,33333 0
    Feliph Rosa 16885,16667 100
    Eduardo Issa 16660 0
    Mario Farias 15323,5 0
    Marcelo Malheiro 15291,83333 0
    Fernando Azevedo 13404 100
    Renato Kim 13331 100
    Cristian Poveda 13309 0
    Fernando Choi 13032,33333 100
    Sung Kae 12965,33333 0
    Chico Chaves 12102,33333 0
    Marcio Guico 11977,83333 100
    Celso Barata 11844,83333 100
    Ademir Medina 11827,83333 0
    Valdecir Montti 11786,33333 0
    Flavio Alonso 11530,66667 0
    Fernando Bueno 11487 100
    Mauro Sato 11457 0
    Leao Lourenco 11373,83333 100
    Ricardo Filgueiras 11239,33333 0
    Edson Suartz 11118 50
    Feliciano Freire 10957,66667 50
    Cleo Duarte 10845,66667 0
    Geraldo Couto 10485 0
    Licinio Coelho 10358,66667 50
    Ailton Santos 10047,33333 0
    Wagner Cerchiai 9994,833333 50
    Tarik El Kadri 9950,333333 50
    Nana Miyabara 9890 0
    Caio Pizzoli 9405 50
    Tony Chu 9177,666667 50
    Massao Teruya 9010 50
    William Kanegae 8761,833333 0
    Claudio Goto 8654,333333 0
    Paulo Campos 8593,833333 0
    Antonio Torres 8559,5 0
    Jose Marin 8086,166667 0
    Jota Jota 7769,5 0
    Issao Segawa 7695,333333 0
    Douglas Junior 7613,5 0
    Caito Bianchi 7599,333333 0
    Carlos Choi 7526,166667 50
    Oswaldo Iervolino 7112,833333 50

    PONTOS TOTAL ATLETA PARTICIPANTES 1600
    BASE 3000
    TOTAL EVENTO 4600

    Pelo ranking da seletiva 2011 anterior ao brasileiro individual:

    William Hideki 18625 100
    Felipe Rezende 17460 0
    Igor Pizzoli 17290 100
    Franz Monteiro 16835 0
    Eduardo Issa 16660 0
    Renan Zoghaib 16280 100
    Feliph Rosa 16120 100
    Marcelo Malheiro 15195 0
    Celso Azevedo 13835 0
    Mario Farias 13560 0
    Renato Kim 12690 100
    Fernando Bueno 11475 100
    Chico Chaves 11393 0
    Sung Kae 11375 0
    Ademir Medina 11285 0
    Marcio Guico 10895 100
    Leao Lourenco 10710 100
    Cristian Poveda 10585 0
    Geraldo Couto 10485 0
    Flavio Alonso 10345 0
    Ricardo Filgueiras 10250 0
    Nana Miyabara 9890 0
    Caio Pizzoli 9405 100
    Tarik El Kadri 9370 100
    Feliciano Freire 9030 50
    Massao Teruya 9010 50
    Fernando Choi 8660 50
    Celso Barata 8035 50
    Licinio Coelho 8030 50
    William Kanegae 7770 0
    Tony Chu 7650 50
    Mauro Sato 7450 0
    Douglas Junior 7370 0
    Edson Suartz 7370 50
    Airton Fukumoto 6850 0
    Carlos Carrasco 6775 0
    Jose Marin 6740 0
    Andre Pak 6545 0
    Fabricio Kawakami 6535 0
    Carlos Choi 6330 50
    Antonio Torres 6285 0
    Valdecir Montti 6140 0
    Oswaldo Iervolino 6025 50
    Jose Magro 5840 0
    Fernando Azevedo 5760 50
    Caito Bianchi 5750 0
    Felipe Dirks 5690 50
    Paulo Campos 5370 0
    PONTOS TOTAL ATLETA PARTICIPANTES 1550
    BASE 3000
    TOTAL EVENTO 4550

    Alguém pode me explicar como chegaram a 3750?

    Obrigado

  3. À quem se interessar:

    Recebi uma ligação do Ricardo Filgueiras, responsável pela atualização do ranking FPBOL (recebe R$300,00 não me recordo se é mensal ou por atualização), respondendo minha pergunta de como chegou ao ponto base do brasileiro individual de 3750. Ele me explicou e eu entendi como é feito… gostaria de coloca-la aqui porém é um sistema tão confuso que não enxerguei nenhuma melhora, chegamos a conclusão de que a regra publicada não é a mesma utilizada, Bira… acho melhor você tirar do site as regras do ranking, é utilizada uma outra que a diretoria da FPBOL escolheu e nunca publicou. Desafio a gestão da FPBOL publicar esta regra!

    Ou seja desde a Taça Friends recebemos um ranking com uma regra colada em uma aba, que não é utilizada…. isto é uma vergonha… como atleta fico muito chateado com tudo isso. E infelizmente não tenho como fazer nada a não ser aceitar.

    Fiz todas estas contas pois estou sendo prejudicado em cerca de 700 a 800 pontos no ranking… garanto a todos que não me fará falta! Deus é justo!

    Quanta confusão ocorreu nestes dois anos de gestão de federação paulista… quem passou por alguma irá se recordar do que estou falando…

    Agora estamos prestes a jogar um campeonato paulista individual vamos ficar atento pois tenho certeza que mais coisas erradas irão acontecer.

    E no Brasileiro de Seleções teremos alguma surpresa…???? Será que a FPBOL irá ajudar suas seleções.???????????

    Amo jogar boliche e acredito que no futuro será muito melhor…!!!!

  4. Jorge Luz dos Reis

    O que eu preciso saber é quem desafia quem?
    Supondo que existam 10 no ranking, o 10.º desafia o 9.º, o 2.º desafia o 1.º?
    O perdedor volta para último no ranking? Se não em que lugar fica?

    • Olá Jorge

      O ranqueamento no Boliche não se destina a desafios individuais. Os pontos e ou as médias de cada ranqueado são oriundos dos campeonatos nos quais ele participa, como acontece, por exemplo, no ranqueamento dos pilotos de Fórmula 1.

      O ranking é utilizado para a formação das divisões num campeonato, ou para a convocação dos atletas ou formação de equipes para eventos, nacionais e internacionais.

      Esse desafio que você citou pode acontecer na fase “round robin” ou nas finais de um campeonato que adotem o formato “step ladder”.

      Por exemplo, numa fase “round robin” todos os inscritos jogam contra todos de forma escalonada, com um bônus de 10 ou 20 pontos em caso de vitória e 5 ou 10 pontos em caso de empate.

      Nas finais “step ladder”, vamos supor que os quatro melhores se classifiquem para disputarem o título então
      o Jogo 1 será do 4.º contra o 3.º;
      o Jogo 2 será do vencedor do Jogo 1 contra o 2.º;
      o Jogo 3 será do vencedor do Jogo 2 contra o 2.º.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s