Arquivo da categoria: ARTIGOS PESSOAIS

Pra que servem olhos verdes em gente feia?

marty_feldman3Novamente algumas palavras sobre o rumo do esporte boliche no Brasil.

Neste domingo, dia 23,  terminou o mais importante evento brasileiro de seleções de boliche.  Foram três campeonatos simultâneos, o Brasileiro de Seleções, a Taça Brasil de Seleções e a de Tercetos, realizados em duas sedes, o Boliche Social Clube do Barra Shopping e o do Norte Shopping.

O tradicional Campeonato Brasileiro de Seleções festejou sua 34.ª edição com a participação de atletas de oito Estados, 48 homens e 42 mulheres. A Taça Brasil de Seleções teve 30 participantes e a Taça Brasil de Tercetos teve 36 inscritos.

O expressivo número de participantes (156) comprova que o esporte boliche no Brasil pode estar atravessando uma fase difícil, porém ainda tem um grande potencial a ser explorado.

O congraçamento entre os jogadores, mesmo com as disputas acirradas, foi o principal destaque positivo do evento, assim como a possibilidade de os premiados com Ouro, Prata e Bronze, poderem solicitar bolsa-atleta no próximo ano junto ao Ministério do Esporte. Continuar lendo

Anúncios

Histórias da Copa Mundial de Boliche: um casal real que não era real, mas são reis realmente

50th_WBC_qubicaamf_pqConheci dezenas de pessoas de todas as nacionalidades nas minhas nove participações da Copa Mundial de Boliche. Na primeira, em 2005, fui  jogador e jornalista, nas demais somente como Press Bowler, exceto a de 2010 na França, a qual não fui.

Também conheci lugares interessantes e países que talvez não conheceria se não fosse por esse maior evento do boliche mundial há 50 anos, completados agora em 2014, sempre com o patrocínio da AMF, depois QubicaAMF e agora Bowlmor QubicaAMF.

nasheeha_kingUma dessas pessoas adoráveis que conheci foi a simpática e atenciosa dona-de-casa Nasheeha King, representando a atual República do Maurício, outrora conhecida por nós brasileiros como Ilhas Maurício, mas também identificada como República da Maurícia oficialmente e na Europa.

É um país insular localizado no oceano Índico, constituído pelas ilhas Mascarenhas orientais e por dois arquipélagos mais ao norte. Tem cerca de 1,3 milhão de habitantes e uns 2.000 km² de território.

Continuar lendo

Histórias da Copa Mundial de Boliche: O incrível Marc Du, jogador guianense

50th_WBC_qubicaamf_pqComo de costume estava navegando na internet, no lobby do elegante e confortável Hotel Orbis, na polonesa Wraclow (Breslávia), quando fui abordado por um competidor da Copa Mundial de Boliche, que se apresentou como Marc Du, vindo da Guiana Francesa.

Muito simpático e falante, ele começou a conversar em francês, quando o interrompi dizendo que não sabia falar essa língua, então ele disse: tudo bem, vamos falar em português… rs

Aí o papo rolou solto… ele contou sobre a vida na Guiana Francesa, que está relacionada nesta Copa Mundial como um país, mas na verdade é um “departamento ultramarino” da França, com pouco mais que 83.000 quilômetros de extensão e cerca de 250 mil habitantes, fazendo divisa com o nosso Amapá. Sua capital é Caiena.

Continuar lendo

Histórias da Copa Mundial de Boliche: Quase perdi o vôo para a Polônia…

50th_WBC_qubicaamf_pqNem imaginava que minha primeira história sobre a aventura de dez dias para acompanhar a 50.ª Copa Mundial QubicaAMF de Boliche, na Polônia, aconteceria em terras paulistas, antes mesmo de embarcar no vôo LH505 da Luthansa.

Experiente com outras viagens, descobri que ao invés de gastar dinheiro com táxi e ônibus até o aeroporto de Guarulhos, o tal GRU, o mais prático e menos cansativo era alugar uma vaga no estacionamento pelo período de dez dias.  Fiz uma pesquisa e encontrei o MultiPark por R$ 14,00 a diária, pagos antecipadamente no cartão de crédito.

No dia do embarque para o vôo marcado para as 19h fiz as malas tranquilamente, coloquei-as no carro e parti para Guarulhos.

Só que… capital paulista, apesar da falta de chuvas, era uma sexta-feira de Halloween e antevéspera do feriado de Finados. Imagina só, o trânsito em direção à Via Dutra estava um caos, mais lento que uma tartaruga manca.

Continuar lendo

A extinção do Tiger

tigre_dormingoUm amigo das pistas de boliche me enviou um artigo, desabafando sua tristeza pelo fechamento de mais um centro de boliche: o Tiger Bowling da capital paulista. As 24 pistas AMF do Tiger vieram da partilha do outrora maior boliche do Brasil, o Planet Bowling, que no auge das suas atividades contava com 50 pistas e chegou a sediar a AMF Bowling World Cup em 1995, o maior evento mundial de boliche.

A transcrição da mensagem é a seguinte:

“TIGER…

Você foi o nosso abrigo e companheiro no decorrer de tantos anos.

Junto de você conhecemos pessoas, formamos amizades, nos divertimos, aprendemos e aperfeiçoamos o nosso jogar.

Fomos atendidos carinhosamente por essas “meninas” simpáticas e atenciosas, que se tornaram nossas filhas, sobrinhas e irmãs. Continuar lendo

49th QubicaAMF Bowling World Cup: a polêmica das altas médias

O Ademir Medina (SP) me fez uma pergunta no Facebook, a qual vou respondê-la por aqui, porque gostaria de me estender um pouco mais na resposta e abrir os debates sobre o assunto.

Continuar lendo

BOLICHE: MEMÓRIAS DE UM JOGADOR BRASILEIRO (2)

decio_memorias_logo_moldura2Para ver a 1.ª parte clique aqui
(2.ª Parte) — Lá fomos nós para a Argentina. Participaram do 1.º Campeonato Sul Americano na divisão masculina a dona da casa, Venezuela, Colômbia, Peru, Equador e Brasil. Na feminina, somente Argentina, Venezuela e Brasil. Como eu era o contato entre os demais países por causa do Torneio das Américas, fui o chefe da delegação.

Como já disse, o único aventureiro do Brasil a usar uma bola fingertip fui eu, os outros todos com bolas convencionais. Os melhores jogadores eram os venezuelanos, que levaram quase todas as medalhas de ouro. O estilo mais bonito do Alvaro Galindo, o mais eficiente e campeão all events o baixinho Jaime Bracho. Continuar lendo