Arquivo do mês: abril 2008

V CAMPEONATO BOLWSHOP 300 NOTAP – FINAIS

Na quinta-feira, 24.04.08, aconteceram as finais do V Campeonato promovido pelo Caio Pizzoli, da BowlShop 300. Foram 16 finalistas divididos em dois grupos, conforme a faixa de handicap (0 a 30 e 31 a 60).

No Grupo 1, Renan Zoghaib liderou o tempo todo a divisão scratch e também a com handicap, inclusive tendo feito a partida perfeita (300 pontos) que lhe garantiu o prêmio de R$ 300,00, que foram somados aos R$ 200,00 que ganhou por liderar a divisão sem handicap. Nas oitavas-de-final, disputadas no sistema melhor-de-três, Renan superou Ademir Medina por 2 a 0, mesmo placar do Beto Callegas sobre Márcio Guico e do Fernando Bueno sobre Paulo Campos. Na quarta disputa desse grupo, Oswaldo Iervolino e Edson Suartz tiveram que jogaram as três partidas, quando Iervolino fez 2 a 1 sobre Suartz.

No Grupo 2, a liderança ficou com Wagner Cerchiai na última rodada, quando antes havia sido de Kátia Abrão. Nas oitavas-de-final Cerchiai não encontrou o seu bom jogo e perdeu para Renata Campos por 2 a 0. Os outros seis finalistas desse grupo tiveram que jogar as três partidas para definirem quem seguiria para as quartas-de-final: Orlando D´Áurea ganhou de Kátia Abrão, Suely Soubihe ganhou de Thais Bueno e James Bradfield, apesar de fazer duas ótimas primeiras partidas (229 e 213 scratch) não conseguiu tirar a diferença de handicap (20 X 44) do novato André Cacciatori.

As quartas-de-final foram disputadas no “mata-mata” (partida única). No Grupo 1, Oswaldo Iervolino ganhou de Renan (199+15 X 163+0) e Fernando Bueno (192+15) ganhou de Beto Callegas (168+9).

No Grupo 2, André Cacciatori (167+44) ganhou de Renata Campos (161+27) e Suely Soubihe (178+45) ganhou de Orlando D´Áurea (134+36).

Na finalíssima do Grupo 1, Fernando Bueno e Oswaldo Iervolino travaram um bom duelo até o último frame porque, coincidentemente, ambos tinham o mesmo handicap (15). Fernando foi melhor com 214 contra os 193 de Oswaldo e ficou com o prêmio principal, uma bola Storm T Rapid Fire, a qual cedeu gentilmente para a irmã dele, Thais Bueno. Oswaldo ficou com o prêmio de R$ 150,00. Na disputa pelos 3.o e 4.o lugares, Renan Zoghaib fez a maior partida scratch das finais (240), ganhando de Beto Callegas que caiu em pé com 211+9. Zoghaib levou mais R$ 100,00 e Callegas ganhou o kit BowlShop 300 (cleaner, tapes e grip).

Na finalíssima do Grupo 2, o novato André Cacciatori mostrou firmeza e concentração fazendo 224+44, superando com folga Suely Soubihe (130+45). O prêmio de André também foi uma bola Storm T Rapid Fire. Suely ganhou R$ 150,00. Orlando D´Áurea fez 166+36 e ficou com a terceira posição e os R$ 100,00, contra os 148+27 de Renata Campos, que ganhou o kit Bowlshop 300.

Os oito finalistas ganharam aproximadamente R$ 2.500,00 em prêmios.

A seguir, veja alguns vídeos dos partipantes:
Continuar lendo

Anúncios

ERA UMA VEZ… UM GAROTO NO BOLICHE

Em 10 de fevereiro de 2005, aos 7 anos, durante o 99.o Torneio Relâmpago, estreou nas pistas do Planet Bowling o garoto Pedro Bafume, filho do Jorge Bafume.

Na época Pedro declarou que ” … o boliche é um esporte muito bom. Adoro jogar… “. As primeiras partidas desse promissor talento num torneio foram registradas para sempre: 53, 53, 53, 51, 49 e 47.

Passados dois anos, eis que o Pedro mostra nas mesmas pistas do Planet que evoluiu bastante, mais que dobrando a média inicial. Vejam que o garoto já tem um belo estilo no approach:

Parabéns Pedro, que tenha uma vitoriosa carreira no boliche.

HIRÓ, O APITO DE FOGO!

Tá aí uma ótima iniciativa que deu certo. Na Taça Morumbi e no Campeonato Paulista de Duplas, os jogadores só podiam mudar de par de pistas após ouvir o apito do Hiro Shigenaga. Tem todo o meu apoio, tanto que, junto com o Fernando Bueno, cometemos uma música para a ocasião:
Continuar lendo

BOLICHE ONLINE – 10 ANOS

Nesta quinta-feira, dia 10 de abril, o site http://www.boliche.com.br completou DEZ ANOS ininterruptos no ar.

Foram quase 3.700 dias de exposição contínua e, coincidentemente, 3.658 arquivos armazenados no provedor Locaweb, em 2.146 páginas consultadas diariamente em qualquer lugar do mundo. Dos 36 países que registraram visitas, os que mais visitam o site, além do Brasil é claro, são Portugal, Japão, Argentina, México, Alemanha, Itália, Inglaterra, França e Chile.

Atualmente a média de visitas individuais é de 2.000 internautas diariamente.

A origem desse projeto foi a ausência de informações em nossa língua para os fãs, praticantes e jogadores do esporte Boliche.

No final de 1997, durante as partidas de boliche jogadas no extinto Boliche Sanpas, conheci o Rogério Bonfim, um raro jogador de boliche. Raro porque raramente joga. E quando joga raramente joga bem. O Rogério havia registrado o domínio boliche mas não tinha tempo para pesquisar, registrar e partilhar as informaçõe sobre o nosso esporte favorito. Pedi, então, que ele me passasse essa incumbência.

Aprendi a lidar com Front Page para elaborar as primeiras páginas do Boliche Online e desde então não parei mais. Graças aos inúmeros colaboradores, fui adequando o site cada vez mais conforme as necessidades e desejos dos jogadores brasileiros.

Certamente cometeria alguma injustiça se citasse nomes, mas não posso deixar de registrar as valiosas informações do José Luiz Veiga, que muito colaborou desde o primeiro dia de existência do Boliche Online. Obrigado, Veiga.

Agradeço à todos pelas visitas que muito me estimulam a prosseguir nessa empreitada.

Voltem sempre!

PERFEITOS NOTAP

Nas quartas e quintas feiras os jogadores de São Paulo encontram-se no Planet Bowling para disputarem o Campeonato NoTap Bowlshop 300, patrocinado pelo proshop do Caio Pizzoli. O ótimo condicionamento preparado graças à nova máquina HVO Summit da AMF, tem dado muita alegria aos participantes. Principalmente nas partidas perfeitas, 300 pontos, 12 strikes consecutivos.
Continuar lendo

TESTEMUNHA DO CRIME DO MALLA

Na tarde deste domingo, jogando pelo Clube Friends no par de pistas 17-18, não pude deixar de ouvir uma narrativa chocante de alguém na platéia. Era uma testemunha de um crime bárbaro que contava para um amigo o que havia presenciado.

Enquanto os jogos aconteciam nas pistas, aproximei-me do balcão divisória para ouvir melhor o papo alheio. Ocorre que, por estar jogando, não pude acompanhar direito a conversa. Além disso, no par 19-20 o Malla estava de quina ligue, entusiasmando os parceiros de terceto, que também estavam muito bem alinhados. Continuar lendo